14 de maio de 2021

Tudo que você quer e que seu carro precisa.

DIRIGIR MOTO PODE PREJUDICAR AUDIÇÃO

Se você quer pilotar embalado pelo ronco de sua moto por muitos e muitos anos, vale à pena ficar atento quanto ao prejuízo que isso pode acarretar à sua audição, porque, além das preocupações com uma pilotagem segura, é preciso considerar que o excesso de barulho do motor da moto não faz bem aos ouvidos.

De acordo com estudo do National Institute on Deafness and Other Communication Disorders (Instituto Nacional de Surdez e Outras Doenças de Comunicação), dos EUA, uma moto emite ruídos em torno de 95 decibéis (dB). Especialistas são unânimes em afirmar que ruídos acima de 85 dB podem causar alterações na estrutura interna do ouvido e perda permanente de audição; e o problema é mais agudo quanto maior for o barulho e o tempo de exposição do piloto a esse excesso de ruído. Como efeito de comparação, uma conversação normal atinge 60 dB.

A exposição prolongada ao barulho de uma motocicleta pode causar nos pilotos uma ” Perda Auditiva induzida por Níveis de Pressão Sonora Elevados ” – conhecida pela sigla PAINPSE. A situação piora porque muitos motociclistas alteram o sistema de escapamento, utilizando ponteiras esportivas ou personalizadas, que elevam ainda mais o nível de ruído emitido pelas motos.

A grande preocupação dos especialistas é que a ” Perda Auditiva induzida por Níveis de Pressão Sonora Elevados ” é cumulativa; qualquer dano auditivo vai se somando ao longo do tempo. Mesmo que uma pessoa se exponha diariamente por um curto período a um ruído acima de 85 dB, os prejuízos na audição podem aumentar depois de muitas exposições ao mesmo barulho.

Outro grave problema é o uso de aparelhos, como MP3, enquanto se dirige, um hábito de muitos pilotos de moto. “Além do barulho da moto, o piloto ainda está exposto ao barulho da música que pode atingir mais de 100 decibéis, causando danos ainda mais graves. Nesses casos, o problema auditivo pode chegar mais cedo. Por isso, a prevenção é muito importante”, explica a especialista da Telex.

A fonoaudióloga Marcella Vidal lembra, no entanto, que existem pessoas mais suscetíveis aos altos ruídos do que outras. “O ideal é consultar um especialista e fazer um exame, chamado audiometria, para detectar se já existe alguma perda auditiva”.

Muitas vezes, a indicação é o uso do aparelho auditivo e, atualmente, no que diz respeito à estética, há aparelhos praticamente invisíveis a olho nu, como os da Telex, que não afetam a vaidade. Discretos, cada vez menores e com tecnologia de ponta, a nova geração de aparelhos auditivos desempenha tão bem suas funções quanto à própria audição humana, e o que é melhor, de um jeito moderno e prático.

Por: Claudio Pires
Fonte: Imprensa Telex. http://www.telex.com.br